Lepra do Pessegueiro

Posted on 10/05/2017 by Plubee No Comments Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

lepra do pessegueiroEste artigo apresenta a praga da lepra do pessegueiro e informação sobre como detetar e tratar esta doença.

Lepra do pessegueiro – o que é?

Lepra do pessegueiro é uma doença causada pelo fungo Taphrina deformans. Afeta as flores, frutos, folhas e brotos de pêssegos, pêssegos flores ornamentais, e nectarinas, e é um dos problemas de doença mais comum nos pessegueiros. É facilmente visto na primavera. Quando grave, a doença pode reduzir a produção de frutos de forma substancial.

Lepra do pessegueiro – identificação e danos

Aparece pela primeira vez na primavera com áreas avermelhadas nas folhas em desenvolvimento. Estas áreas tornam-se espessas e enrugadas, fazendo com que as folhas se enrolem e fiquem distorcidas. Estas áreas transformam-se em amareladas e, em seguida, um branco acinzentado, à medida que se formam esporos na superfície aveludada devido ao fungo. Mais tarde as folhas ficam amarelas ou castanhas e podem permanecer na árvore ou cair; são substituídas por um segundo conjunto de folhas que se desenvolvem de forma mais normal a não ser que se mantenha um clima mais húmido. A perda de folhas e a produção de um segundo conjunto de folhas causa forçosamento maior crescimento vegetativo e menor frutificação. A perda de folhas na primavera também pode expor ramos, provocando queimaduras solares.

O fundo da lepra do pessegueiro infecta também ramos verdes e jovens. Rebentos afetados tornam-se engrossados, atrofiados, distorcidos e muitas vezes morrem. Só raramente se desenvolvem áreas avermelhada, enrugadas ou hipertrofiadas na superfície dos frutos. Mais tarde estas áreas formam uma espécie de zona de cortiça na fruta e tendem a provocar rachas nas mesma. Se a lepra do pessegueiro for deixada sem controlo durante alguns anos, pode levar ao declínio da árvore e mais tarde à necessidade da sua remoção.

Lepra do Pessegueiro – ciclo de vida

Sintomas foliares surgem após 2 semanas após o aparecimento das primeiras folhas. O fungo cresce entre células das folhas e estimula a que estas se dividam e cresçam mais do que o normal causando inchaço e distorção da folha. Pigmentos vegetais vermelhos acumulam-se nas células distorcidas. As células do fungo perfuram através da cutícula das folhas distorcidas e produzem estruturas alongadas da forma de saco, que produzem esporos sexuais chamados ascósporos, que conferem à folha, uma aparência de pó branco acinzentado ou aveludada. Os ascósporos são libertados para a atmosfera, pousam em novas tecidos, e dividem-se formando conídios.

O fungo da lepra do pessegueiro sobrevive ao verão quente, seco sob a forma de ascósporos e esporos assexuados na superfície da árvore. Quando o tempo fica frio e húmido no Outono, os ascósporos germinam para produzir mais conídios. Os novos e antigos conídios continuam a aumentar em número por brotamento. Eventualmente, uma película de conídios forma-se na superfície da árvore. Na primavera, os conídios deslocam-se por força de jactos de água da irrigação ou água das chuvas e podem infectar novas folhas.

Períodos de clima frio, molhado, quando as folhas estão primeira abertura na árvore, favorecem a doença. A temperatura óptima para o crescimento dos fungos em culturas de laboratório é de 20 ° C, o mínimo é de 9 ° C, e o máximo é de 26 ° a 30 ° C. É necessário um tempo de folha húmido de 12,5 horas a temperaturas abaixo de 16 ºC para que ocorra a infeção. A infecção máxima ocorre quando as árvores estão molhadas durante 2 ou mais dias. Embora as folhas possam estar infectadas, podem não aparecer sintomas se permanecerem temperaturas superiores a 21 ° C. O clima frio prolonga o período de desenvolvimento da doença, favorecendo o patogénio e retardando o crescimento da folha. O desenvolvimento da lepra do pessegueiro cessa quando o tecido jovem já não está em desenvolvimento ou quando tempo se torna mais quente e seco (26°C a 30 °C).

Related posts:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Post a Comment

Your email is never published or shared. Required fields are marked *